Tropecei
Num poema morto
Sem nome
Nem autor

Encontrei-o
Caído
Prostrado
Na calçada
Enlameada

Aproximei-me
E ergui-o com cuidado
Para que se não desintegrassem
As palavras
Que nele estavam
Incrustadas

Li-o emocionada
Porque lhe senti o amargo
Do malogro
Que o matou

Só no fim percebi
Que o que ali
Jazia
Nas minhas mãos
Era um bilhete suicida
De um amor
Proibido

Que nunca foi...


5 impulsos:

segredo disse...

"Um amor proibido k nunca foi..."
Um poema lindo!
Beijinho de lua*.*

Serenidade disse...

Este mês, o Clube de Leitores da Edita-Me tem por convidados os autores Pedro Branco e Inês Girão, co-autores da obra "Escolhas (2ª Edição)" e a autora Carla Madureira com o seu livro "Retalhos Serenos".

Dentro do que já se tornou habitual, em torno de uma chávena de café ou chá, conversaremos sobre os autores, suas obras e muitos outros assuntos, onde a conversa nos leve.


Venha conhecer de perto e conversar com os seus autores.





No final da conversa, pelas 18h00, o autor Pedro Branco juntamente com o seu amigo "Zé Manel", brindar-nos-ão com o seu mais recente espectáculo "Encontro"

Serenos sorrisos

ZeManel disse...

Olá Cleo
"...
um bilhete suicida
De um amor
Proibido
Que nunca foi..."
Um dia será!
Bjs :))

escarlate disse...

eu que nem sou fã de poesia... gosto!!

Luis F disse...

Um belo poema de amor, sentimento puro em cada verso, em cada palavra... embalei no perfume das tuas palavras, descobrindo o encanto do teu poema.

Sabe bem ler-te minha amiga

Bjs
Luis