Tenho um lago de palavras desordenadas, bem no meio do meu jardim secreto, escondido no lado oculto da minha mente, que ninguém conhece a não ser eu. São palavras de todos os tamanhos, de todas as cores e feitios. Algumas são tão leves, que se esgueiram pelo meio das outras,  emergindo num bailado borbulhante de letras...
Outras, são mais pesadas e mantêm-se no fundo, presas ao chumbo cinzento que as reveste.  Há ainda aquelas, que não sendo leves nem pesadas, formam uma massa uniforme que se passeia pacientemente em pequenos círculos fechados e submersos.
Há palavras, que, de tão belas, são as que mais brilham no meio de todas, provocando olhares de inveja nas outras, pois seriam sempre as primeiras a ser escolhidas, para adornar um qualquer poema de amor, que algum poeta apaixonado pela sua musa inspiradora se lembrasse de escrever.
Há outras, que de tão feias serem, pouca gente lhes dá importância, rejeitando-as desde sempre. São usadas na voz da noite vadia, vomitadas pelas bocas podres dos que pernoitam a margem das linhas rectas da vida, em calões e gírias que só eles entendem...
Tenho tantos lugares ainda desertos, nas linhas imaginárias do meu caderno amarelo de poemas, que vou escrevendo em segredo. Espero só pelo momento certo...
Mas hoje não! Hoje não vou escrever nada...

28 impulsos:

Menina do Rio disse...

Gosto das palavras leves e belas que bailam e brilham. As que possam ser escolhidas para compor os versos de um poeta apaixonado.
Lindo texto, Cleo; maravilhoso!

Um beijinho

Vício disse...

deixa-me...

segredo disse...

Ha palavras k me atormentam, k me arrepiam pelo peso k elas transportam mas ha palavras tao doces e tao boas de ouvir! :)Beijinho

A. Jorge disse...

Se o que aqui escreveste não é escrever nada...

Um beijo

jorge

AF disse...

Gostei das palavras que (não) escreveste.
Adoro a música :]

Beijinhos e uma boa semana.

Gothicum disse...

Mesmo quando pensas que não escreves nada, escreves muito, escreves com alma, todas as tuas palavras são suspiros carregados de emoção. Obrigado.

as velas ardem ate ao fim disse...

N~ºao escreveste nada???!!!

Lindo!!!!!!!!!!!!!

um bjo

Pelos caminhos da vida. disse...

Devemos sempre pensar antes de falar,pois tem palavras que ferem,que magoam.

Mas tb tem as palavras docéis,amaveis,essas qdo saem da pouca até os anjos se alegram.

Obrigada pela visita.

Bom dia.

beijooo.

Pelos caminhos da vida. disse...

Devemos sempre pensar antes de falar,pois tem palavras que ferem,que magoam.

Mas tb tem as palavras docéis,amaveis,essas qdo saem da pouca até os anjos se alegram.

Obrigada pela visita.

Bom dia.

beijooo.

Secreta disse...

E do que não queres escrever tanto disseste!
Beijito.

Iana disse...

Simplesmente...lindo...
Ai a música esta deliciosa de ouvir
e seu post esta perfeito!

perdidos no jardim secretos
repousa as palavras perfeitas
e escreves com a realidade da alma
limpa e pura...

Gosto de ler-te
beijos e muita luz sempre
amiga
Iana!!!

Rafeiro Perfumado disse...

As palavras feias de que falas são os palavrões? Pelo menos encaixam na definição... ;)

Baraújo disse...

adoro a musica...

e... bem.. depois deste bailado de palavras...

nao se escreve nada... apenas se diz olhando...

beijo terno...

e mais uma vez deixa que diga obrigado impulsos... pelo teu gesto.

Gleidston dias disse...

imagino quando começar a escrever rsss,
disseste tudo,mas como bem disse,não disse nada.

a música é maravilhosa.

suas palavras são no geral reais vivencias.

big abraço poeta!!!!

SAM disse...

E disseste tudo! Até mesmo sobre as palavras do deserto das linhas imaginárias. Discorreu brilhantemente sobre a colocação das palavras em todo contexto em que ela se situa. Lindo!


Grande beijo, querida Cléo!

Oliver Pickwick disse...

Quanto à desordem das palavras do teu jardim secreto, sabes ordená-las muito bem. Com justiça salomônica, para que não haja inveja entre elas. ;)
Um beijo!

Som do Silêncio disse...

Se o teu "dizer nada" é assim, então que não digas muitas vezes nada!
Eu gosto do teu "dizer nada" onde dizes tanto...

Beijo
Som

Cila disse...

Gosto do teu não querer escrever nada...


Beijo

Jorge Cardoso disse...

que belo baú deve ser esse, onde se escondem as palavras que com o respirar poético vão saindo ao encontro de nós!

Beijo...

Nilson Barcelli disse...

Este teu texto é um navio que não só flutua como também sulca as águas do teu lago com elegância.
Gostei de as ver passar pelos meus olhos e de admirar a sua beleza.
Beijinhos.

Fallen Angel disse...

Tudo é escrito e nada se é dito, por isso nada é escrito.
Um beijo e um bom fim de semana.

Sobre ontem, hoje e amanhã disse...

Parabéns pelo blog. E pela tentativa de desvendar os mais diversos impulsos que contraditoriamente nos motivam e confundem.

o¤° SORRISO °¤o disse...

Oi Impulsos.

Todas as palavras se fazem necessárias. Leves e pesadas, belas e feias. Tudo depende do que deve ser dito e quando. E se hoje nada tens a dizer, imagina quando tiveres palavras sobrando. Uia!!!

Que sua semana preencha várias páginas de seu caderno amarelo de poemas.

Beijos mil! :-)

Carlos D disse...

Outras temos o prazer
seja em poemas ou prosas
de as conhecer e ler
de apreciar essas palavras


bjs e um sorriso
uma boa semana

ImpossiblePrince disse...

Lindo o que escreveste. e óptima escolha musical. :)

ZeManel disse...

Cleo
É bem certo - Para tudo há um momento certo… até para a escrita!
Hoje não… Amanhã decerto será…!!!
Assim o espero eu e, convicto estou, todos quantos te lêem com redobrado prazer. :)))))
Beijinhos

melgadoporto disse...

“Who knows my secret broken
Who feels my flesh when I am gone
Who was a witness to the dream
Who kissed my eyes and saw the scream
Lying there
Nobody”
Mais um gajo na lua… ;-)

AM disse...

Hoje não escreve nada...e escreveu quase tudo. Líndíssimo.
Beijo
António M.R.Martins