Chamo-me Mariana e tenho oito anos de idade. Nasci a vinte e nove de Fevereiro de um ano qualquer que se perdeu do calendário...
Sou filha de um homem que nunca vi. A minha mãe é prostituta por necessidade, condição imposta pela vida de droga que escolheu e não conheci nenhum outro familiar. Nem avó, nem avô, nem tios ou primos.
Não sei a que cheira o mar, não sei a cor que tem o céu, nem sequer conheço o som de um comboio a apitar...
A minha curta vida foi passada num hospital, para onde me levaram pouco depois de me terem encontrado abandonada numa valeta de uma estrada quase deserta, por onde, por sorte, alguém passou naquela noite de chuva e me ouviu chorar.
Nasci subnutrida, cega, surda e nunca cheguei a andar...
Tenho oito anos de idade, mas não passei de um mês de vida. Morri algum tempo depois, por não me conseguirem salvar.
Neste jardim existem muitas flores, muitas campas bonitas, onde estão enterradas pessoas importantes, com fotografias coladas nas pedras mármore ou de granito e dizeres bonitos escritos a letras douradas. A minha não tem nada disso, apenas uma cruz de madeira assinala o sítio onde me encontro. E as árvores... as árvores têm um cheiro esquisito, um cheiro a cemitério.
O meu nome é Mariana, tenho oito anos e este é o meu túmulo!
Nunca ninguém me veio trazer flores...


video



Texto triste que escrevi para o livro - "Trago-te um sonho nas mãos". Porque a vida não é feita só de alegrias nem de coisas bonitas...
Esta antologia conta com a colaboração de diversos autores do site Luso Poemas, que se uniram para dar o seu contributo a favor da instituição:ASAS
(Associação de solidariedade e acção Social) em Sto. Tirso.O lançamento será feito no dia 5 de Dezembro de 2009, pelas 15.30h, no Mosteiro de Tibães em Braga, nas antigas cavalariças do Mosteiro. Só me resta dizer, que este evento está integrado no VI Encontro do Luso-Poemas.

Se também quiser ajudar e se por acaso estiver por perto, não hesite e apareça também!

12 impulsos:

Nadine Granad disse...

Sim, triste... E ainda belo!
De muita sensibilidade!
lida ;)

Abraços!!!

Sandra Daniela disse...

Tocante, emocionante... sim... a vida infelizmente, não são apenas alegrias, pena é que muitas das vezes, sejam inocentes, a ter de pagar uma factura que não é deles...
beijinho grande

Secreta disse...

A vida por vezes é demasiado cruel. Por vezes é demasiado curta e ainda assim demasiado longa.
Tristemente verdadeiro.

Paula Raposo disse...

Texto muito triste, porque a realidade é crua, muitas vezes.
Tocou-me o coração. Beijos.

Luis F disse...

Um texto de grande sensibilidade que demonstra a realidade por vezes escondida e crua.

Felicidades para a obra que espero adquirir.

Com amizade
Bj
Luis

sonho disse...

Retratas te aqui uma verdade nua e crua...tantas e quantas crianças teem infelizmente o mesmo fim que a Mariana...
Bom fim de semana
Beijo de um anjo

Som do Silêncio disse...

Simbiose perfeita...
Belo e tão triste...

Beijo meu

Som

JuvePP disse...

olá Cleo,
Um texto autobiogrático, narrado na primeira pessoa que mas cujo assunto narrativo é o de outrem tão sentido como se do próprio se tratasse. Os poetas serão sempre necessários posto que tomando as dores de outros as sentem como suas e assim dão voz aos que sofridos e calados precisam que as suas vidas sejam denunciadas retratando, no caso, de tantas e tantas marianas, sem voz.
Parabéns
Beijinhos

JuvePP disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla disse...

trsiemente belo...porque na verdade nem sempre a vida nos oferece flores
beijos

Daniel Aladiah disse...

Querida Lurdes
Não deixes de ter esses impulsos tão generosos, que te fazem ser um lindo ser humano.
Um beijo
Daniel

mj disse...

OLA!!
Aparecerei ...

Hoje,
Natal é...

*
(segue a "estrelinha" * ...)

FELIZ NATAL !


Um Beijinho, MJ