Cravaram-me uma estaca
Na alma!...

Apoderaram-se do meu tesouro
E deixaram-me prostrada
Num chão
Nojento e pegajoso
Pejado de mentiras esventradas
E de odor pestilento

E são às dezenas os sorrisos...
Cínicos!
Que na pressa da retirada
Lhes caíram do rosto
E se espalharam no meio da podridão

Pobres criaturas sem palavra
Que de tão miseráveis que são
Atraiçoam quem lhes deu o pão
Nos dias mais negros
Da fome apertada

E salvaram quem nada lhes deu
A não ser a ilusão
Daquilo que não passa
De um redondo nada...

Mataram
E fugiram todos
Montados na mula da cobardia

Salvou-se um estranho silêncio
Que paira num ar irrespirável

Morri sozinha
Sem glória alguma
Com a dor da desilusão

Não mais voltarei
A pisar o chão que me viu morrer!...

16 impulsos:

Paula Raposo disse...

Um grito que ecoa em mim, no meio de tanto cinismo que impera! Beijos para ti.

Gothicum disse...

"Não mais voltarei
A pisar o chão que me viu morrer!.."


...nem eu! Até nisso somos iguais! Fica bem Abraços!

Fernando disse...

Morri sózinha sem glória alguma...

Que mais dizer deste mais um belo exemplo poético.

bjs
Eduarda

Mª Dolores Marques disse...

Um grande poema, como só tu...

Beijos e óptimo Domning

segredo disse...

K texto!!!
Depois a musica realça o belo k já é o texto.
Beijinho de lua*.*

Lua Erótica disse...

Excelente Cleozinha! Um poema que é uma lição :)

Beijo doce

vício disse...

por vezes o chão mais apelativo não é o mais fertil!
ou quando é fertil, é invadido por ervas daninhas que parasitam todo o espaço livre...

Luis F disse...

Amiga,

Adoro as tuas palavras, que mostram o teu dom e a tua sensibilidade.

Estás de parabens minha amiga...

bjs com amizade
Luis

Gata Verde disse...

Doeu?
;)

Não me ligues...é lindo!!
beijosssssssssss

Rafeiro Perfumado disse...

A fumar naquele sítio, não é bem uma estaca que lhe pode passar na alma...

Beijoca!

Nilson Barcelli disse...

Desde que conheço a tua poesia, já lá vão uns anitos, sempre te vi a escrever bem.
Mas ultimamente estás a fazê-lo cada vez melhor. Este poema é "apenas" um exemplo da inquestionável excelência da tua poesia.
Não morrerás sozinha, por isso...
Querida amiga, um beijo.

As Chamas do Fénix disse...

A nossa humanidade desumanizada ... um retrato perfeito de metáforas em cima de metáforas brilhantemente colocadas... parabéns

Uma Grande Chama para ti... beijos

Secreta disse...

Intenso...
Beijito.

escarlate.due disse...

não gosto (hoje estou numa de não gostar)
não gosto destes poemas de morte
gosto dos outros que escreves com a garra de quem vive

James C. Hunter disse...

Olá LU,
Há dias...
Gostei muito!!!
beijo
James

SAM disse...

Amiga,



mexeu com minhas emoções. Já assim me senti. E este grito calo em mim.


O poema é belíssimo!Um presente dos deuses escrito pela sua sensibilidade.


Beijos, com carinho.